domingo, 29 de maio de 2016

Isaac Newton e a Trindade.


ISAAC NEWTON E A TRINDADE

A tradição popular diz que a queda duma maçã fez com que Sir Isaac Newton passasse a trilhar o caminho para o descobrimento da lei da gravitação universal. Não importa se esta tradição é verdade ou não, é indubitável que Newton tinha uma notável faculdade de raciocínio. Somos informados sobre a sua famosa obra científica, Principia: “Todo o desenvolvimento da ciência moderna começa com esta grande obra. Ela predominou por mais de 200 anos.”(1)

Famosos como eram os descobrimentos científicos de Newton, ele mesmo reconhecia humildemente suas limitações humanas. Era modesto. Pouco antes de sua morte em 1727, ele disse a respeito de si mesmo: “Não sei o que pareço ser para o mundo, mas, para mim mesmo, só pareço ter sido um menino brincando à beira do mar, e divertindo-me de vez em quando com achar uma pedra mais lisa ou uma concha mais bonita do que costuma ser, ao passo que o grande oceano da verdade jazia diante de mim ainda todo por descobrir.”(2)

Newton reconhecia que Deus é a Fonte de toda a verdade, e em harmonia com a profunda reverência que tinha por seu Criador, parece ter passado ainda mais tempo em buscar o verdadeiro Deus, do que na pesquisa de verdades científicas. Uma análise de tudo o que Newton escreveu revela que, dentre umas 3.600.000 palavras, apenas 1.000.000 tratavam das ciências, ao passo que umas 1.400.000 eram sobre tópicos religiosos.(3)

NEWTON LIDA COM A DOUTRINA DA TRINDADE

Nos seus escritos, Newton deu muita atenção à doutrina da Trindade. Uma de suas mais notáveis contribuições para a erudição bíblica, naquela época, era a sua obra Um Relato Histórico Sobre Duas Notáveis Corrupções de Escritura, primeiro publicada em 1754, vinte e sete anos após a sua morte. Reexaminava toda a evidência textual disponível, de fontes antigas, sobre duas passagens bíblicas, em I João 5:7 e I Timóteo 3:16.

Na Versão King James da Bíblia (em inglês; veja Almeida, Revista e Corrigida), I João 5:7 reza:

“Porque há três que dão testemunho no céu, o Pai, a Palavra e o Espírito
Santo: e estes três são um.”

Recorrendo aos primitivos escritores eclesiásticos, aos manuscritos gregos e latinos e ao testemunho das primeiras versões da Bíblia, Newton provou que as palavras “no céu, o Pai, a Palavra e o Espírito Santo: e estes três são um”, citados em apoio da doutrina da Trindade, não aparecem nas originais Escrituras Gregas, inspiradas. Ele traçou então o caminho pelo qual o texto espúrio se introduziu nas versões latinas, primeiro como nota marginal, e depois no próprio texto. Mostrou que foi incluído pela primeira vez num texto grego em 1515, pelo Cardeal Ximenes, à base dum manuscrito grego posterior, corrigido segundo o latim. Por fim, Newton considerou o senso e o
contexto do versículo, chegando à conclusão: “Este é o sentido claro e natural, e o pleno e forte argumento; mas, se inserir o testemunho ‘dos Três no Céu’, então o interrompe e corrompe”.
(4)

A parte mais curta desta dissertação se referia a I Timóteo 3:16, que reza (na Versão King James; veja a Versão Figueiredo):

“E, sem contradição, é grande o mistério da piedade: Deus foi manifestado na carne, justificado no Espírito, visto por anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido em cima, em glória.”

Newton mostrou como, por uma pequena alteração do texto grego, se inseriu a palavra “Deus”, fazendo a frase rezar: “Deus foi manifestado na carne.” Demonstrou que os primitivos escritores eclesiásticos, referindo-se a este versículo, não sabiam nada sobre tal alteração.

Até a poucos anos, este texto era também muito citado em apoio do ensino da Trindade, mas a maioria das versões modernas coloca agora “ele”, em vez de “Deus”; a versão católica da Bíblia de Jerusalém até mesmo acrescenta ao pé da página: “No masculino: Cristo.”

Resumindo as duas passagens, Newton disse: “Se as antigas igrejas, ao debaterem e decidirem os maiores mistérios da religião, não sabiam nada sobre estes dois textos, não entendo por que nós devíamos agora gostar tanto deles, já que os debates acabaram.”(5)

Nos mais de duzentos anos desde que este tratado foi redigido por Isaac Newton, apenas foi necessário fazer algumas poucas correções menores na evidência que ele aduziu. Contudo, foi apenas no século dezenove que apareceram traduções da Bíblia, que corrigiam estas passagens. Apresentamos a seguir a tradução do manuscrito original de Newton, “Um Relato Histórico”, refutando a doutrina da Trindade:

“. . . influenciados por ele. Assim, pois, por consenso unânime de todos os antigos e fiéis intérpretes até agora encontrados (os quais, sem dúvida, fizeram uso dos melhores manuscritos que puderam obter), o testemunho dos três no céu não existia antigamente no grego. - E que tampouco existia nas antigas versões, nem no grego, mas era inteiramente desconhecida às primitivas igrejas, é bem certo, em vista dum argumento aludido acima, a saber, de que em toda essa veemente controvérsia universal e duradoura sobre a Trindade, no tempo de Jerônimo e tanto antes, como por muito tempo depois, nunca se pensou neste texto a respeito daqueles no céu. Está agora na boca de todos e é considerado o texto principal para a questão, e teria sido assim, se tivesse estado nos seus livros e contudo, não é encontrado nem uma única vez em todas as Disputas, Epístolas, Discursos e outros escritos dos gregos e dos latinos (Alexandre de Alexandria, o Concílio de Sárdica, Atanásio, Basílio, . . .”

Por que não publicou Newton estes achados durante a sua vida? Um relance para o fundo histórico daqueles tempos talvez explique isso. Aqueles que escreviam contra a doutrina da Trindade ainda estavam sujeitos a sofrer perseguição na Inglaterra. Ainda em 1698, o Ato da Supressão de Blasfêmia e Profanação constituía em ofensa negar que uma das pessoas da Trindade era Deus, o que era punível com a perda do cargo, emprego e lucro, na primeira incidência, e na repetição, com o encarceramento. O amigo de Newton, William Whiston (tradutor inglês das obras de Josefo), perdeu por este motivo seu professorado na Universidade de Cambridge, em 1711. Em 1693, por ordem da Câmara dos Lordes, foi queimado um panfleto atacando a Trindade, e no ano seguinte foi processado seu impressor e autor. Em 1697, Thomas Aikenhead, estudante de dezoito anos de idade, acusado de negar a Trindade, foi enforcado em Edimburgo, na Escócia. 
(6), (7), (8)

POR QUE NEWTON REJEITAVA A TRINDADE

Por causa de seus estudos científicos, Newton passou a ter em alta estima o ‘Livro da Natureza’ e viu nele a evidência de intento por Deus, o grande Autor. Acreditava também que a Bíblia era a Revelação de Deus, e que ela sempre estava em harmonia com o testemunho da criação.
(9)

A Bíblia era a pedra de toque de Newton para testar ensinos e doutrinas. Na consideração dos credos da Igreja, Newton tornou bem clara esta atitude. À base do oitavo dos trinta e nove artigos tratando dos credos ou símbolos niceno, atanasiano e apostólico, ele disse a respeito da Igreja da Inglaterra:

“Ela não exige que os aceitemos à base da autoridade de Concílios Gerais, e muito menos ainda à base da autoridade de Conclaves, mas apenas porque são tirados das Escrituras. E, portanto, estamos autorizados pela Igreja a compará-los com as Escrituras e a ver como e em que sentido podem ser deduzidos delas? E quando não podemos ver a Dedução, não devemos estribar-nos na Autoridade de Concílios e Sínodos.”

Sua conclusão foi ainda mais enfática:

Até mesmo Concílios Gerais erraram e podem errar em questões de fé, e o que eles decretam como necessário para a salvação não tem nenhuma força ou autoridade, a menos que possa ser demonstrado que foi tirado da Escritura sagrada.”(10)

O principal motivo de Newton para rejeitar a Trindade era que, quando procurava verificar as declarações dos credos e dos concílios, não encontrava nenhum apoio da Escritura para a doutrina.

Pesando esta evidência, Newton acreditava firmemente que se devia usar o raciocínio. Argumentava que nada do que foi criado por Deus foi feito sem objetivo e motivo, e que os ensinos bíblicos seriam corroborados pela aplicação similar da lógica e da razão.


Falando sobre os escritos do apóstolo João, Newton disse: “Eu lhe dou a honra de crer que ele escreveu com bom senso; e, portanto, acredito que seja o sentido dele, que é o
melhor.”
(11)

Portanto, como segundo motivo para rejeitar o ensino da Trindade, Newton declarou:

“Homoousion [a doutrina pela qual o Filho é da mesma substância que o Pai] é ininteligível. Não foi entendido no Concílio de Nicéia, nem desde então. O que não pode ser entendido, não é objeto de crença.”(12)

Tratando deste mesmo aspecto da Trindade, há um manuscrito de Newton, intitulado “Perguntas Sobre a Palavra Homoousios”. Este revela um terceiro motivo para a sua negação da Trindade. Este ensino não fazia parte do primitivo cristianismo. As perguntas doze a quatorze salientam todas que a doutrina tem falta de característica dum original do primeiro século:

Pergunta 12. Se a opinião da igualdade das três substâncias não foi lançada pela primeira vez no reinado de Juliano, o Apóstata [361-363 E. C.], por Atanásio, Hilário, etc.?
Pergunta 13. Se a adoração do Espírito Santo não foi lançada pela primeira vez só depois do Concílio de Sárdica? [343 E. C.]
Pergunta 14. Se o Concílio de Sárdica não foi o primeiro Concílio a se declarar a favor da doutrina da Trindade Consubstancial?”(13)

Em outro manuscrito, agora preservado em Jerusalém, Newton sumariou a única resposta a tais perguntas:

“Fomos mandados pelo Apóstolo (II Timóteo 1:13) a nos apegar à forma de palavras sadias. Contender a favor duma linguagem que não foi transmitida dos Profetas e Apóstolos é uma violação desta ordem e aqueles que a violam são também culpados pelas perturbações e pelos cismas assim causados. Não basta dizer que um artigo de fé pode ser deduzido da escritura. Ele precisa ser expresso na própria forma de palavras sadias em que foi transmitido pelos Apóstolos.”(14)

Portanto, à base das Escrituras, da razão e do ensino autêntico do primitivo cristianismo, Newton verificou que não podia aceitar a doutrina da Trindade. Ele cria fortemente na suprema soberania de Yahweh Deus e na posição correta de Jesus Cristo, nem rebaixando-o como Filho de Deus, nem sublimando-o à posição ocupada pelo seu Pai.(15)


Considerando com John Locke a passagem de Daniel 7:9, ele escreveu: “Donde deriva a certeza de que o Ancião de Dias é Cristo? Será que Cristo, em alguma parte, está sentado no Trono?”(16)

A própria conclusão a que ele chegou é óbvia, e a clareza de seu pensamento a respeito da relação do Pai com o Filho sempre é evidente nos escritos de Newton. Em outra parte, pois, ele apresenta o argumento de que a oração só pode ser feita a “Deus em nome do Cordeiro, mas não ao Cordeiro em nome de Deus.”(17)

Talvez o melhor resumo dos argumentos bíblicos de Isaac Newton para o seu repúdio da Trindade seja encontrado em quatorze ‘Argumentos’, escritos em latim, que apresentam citações bíblicas para muitos deles. Os de número quatro a sete são especialmente interessantes:

5. Porque o Pai é maior do que o Filho. João 14:28.
6. Porque o Filho não sabia de sua última hora. Mar. 13:32, Mat. 24:36, Apoc. 1:1, 5:3.
7. Porque o Filho recebeu todas as coisas do Pai.”(18)

A leitura atenciosa dos escritos religiosos de Newton não pode deixar de impressionar o leitor com a sua meticulosidade e o reconhecimento da profunda e longa meditação dele, com a sua capacidade erudita e sua compreensão das línguas originais da Bíblia. Suas conclusões a respeito da Trindade, portanto, merecem nosso respeito e nossa consideração, embora ele não se sentisse obrigado a torná-las públicas durante a sua vida.

Hoje, quando há muito mais evidência disponível do que Newton teve à disposição, nós também devemos investigar nossas crenças assim como ele fez, sempre procurando raciocinar primeiro sobre a evidência da Palavra de Deus. Isto desenvolverá em nós uma forte fé, plenamente em harmonia com o ensino do cristianismo original.



Referências
1. The Encyclopoedia Britannica, ed. 1971, Vol. 16, p. 420.

2. The World Book Encyclopedia, ed. 1973, Vol. 14, p. 308.

3. The Correspondence of Isaac Newton, editado por H. W. Turnbull, F. R. S., Cambridge 1961, Vol. 1, p. XVII.

4. An Historical Account of Two Notable Corruptions of Scripture, de Sir Isaac Newton, Edição de 1830, Londres, p. 60.

5. Ibid., p. 95.

6. Our Unitarian Heritage, de Earl M. Wilbur, Boston 1925, pp. 289-294.

7. History of English Nonconformity, de Henry W. Clark, Londres 1913, Vol. II, p. 157.

8. Religious Opinions of Milton, Locke and Newton, de H. McLachlan, Manchester 1941, pp. 146, 147.

9. The Religion of Isaac Newton, de F. E. Manuel, Oxford 1974, p. 48.

10. Sir Isaac Newton Theological Manuscripts, escolhidos e editados por H. McLachlan, Liverpool 1950, pp. 37, 38.

11. An Historical Account of Two Notable Corruptions of Scripture, p. 61.

12. Sir Isaac Newton Theological Manuscripts, p. 17.

13. Ibid. pp. 45, 46.

14. The Religion of Isaac Newton, pp. 54, 55. Yahuda Ms. 15.1.fol.11r.

15. The Religion of Isaac Newton, p. 61

16. The Correspondence of Isaac Newton, Vol. III, Carta 362

17. The Religion of Isaac Newton, p. 61, Yahuda Ms. 15.4.fol.67v.

18. Isaac Newton, A Biography, p. 642.

Fonte>>http://www.arquivoxiasd.com/isaacnew.htm

sábado, 26 de dezembro de 2015

INICIO DO DECRETO PARA CONTAGEM 70 SEMANAS? DEcreto de Ciro ou Artarxerxes?



terça-feira, 3 de novembro de 2015



SISTEMA DE GOVERNO BÍBLICO PARTE 1 - Com Evangelista Flávio
 Ir para o Vídeo.

sábado, 18 de julho de 2015

Risco de Terceira Guerra Mundial - Analistas economicos.


O Acerto de Contas

A Crise internacional de agora tem um único precedente na História: a Grande Depressão de 1929.
Naquela ocasião, foi preciso uma Guerra Mundial para retomar a dinâmica de crescimento.
Desde 2008, os Bancos Centrais já gastaram mais de US$ 12 trilhões para evitar a recessão, quantia superior ao que foi empregado durante toda a Segunda Guerra...

Veja a seguir por que 6 das principais agências do mundo divulgaram alerta sobre o risco de conflito bélico eminente

 

Você se vê diante do caixa eletrônico, mas não tem certeza se os saques serão permitidos.

Ainda que pegue o dinheiro, há grande chance de não conseguir no mercado os mantimentos básicos.

Sua família aguarda em casa, aflita...


Caro leitor,

O cenário abaixo lhe parece distante da realidade atual?
- Falta de alimentos; 
- Conta corrente bloqueada e limite de saques;
- Racionamento de energia, combustível e água;
- Hiperinflação e desemprego crescente...

Infelizmente, estamos trilhando o caminho de uma crise global de proporções bélicas.
Nas próximas linhas, vou lhe demonstrar, apenas com fatos e dados concretos, por que a reunião de cada um desses elementos está muito mais próxima do que você imagina.
A argumentação deixará claro como o mundo se tornou uma grande bomba-relógio, prestes a explodir.
Deixe-me começar por referências contundentes...
A China vive atualmente um período de grande instabilidade política e econômica. Em 2014, seus gastos militares atingiram US$ 130 bilhões. Para este ano, está previsto aumento de dois dígitos nesse valor, enquanto a sua economia desacelera, e avança em seu menor ritmo em 20 anos.
Enquanto isso, a Rússia, que tem investido 10% de seu PIB em armamentos, sofre sanções comerciais de EUA e Europa e enfrentará este ano uma recessão da ordem de -3,4%.
A economia russa também é forte dependente do petróleo, cujos preços vêm sendo sustentados em níveis historicamente baixos, alimentando instabilidade geopolítica entre Rússia e Ucrânia, no Oriente Médio e no Golfo do México (EUA).
Imagine se, por exemplo, a China cumprir a ameaça de invadir as ilhas do Japão, atual aliado dos norte-americanos...
Basta apenas uma faísca...
Hoje, EUA, Japão e Europa são aliados.
Do outro lado, temos China, Rússia, Coréia do Norte...
E o Brasil, de que lado ficaria?
  

Você já imaginou os impactos de uma sanção comercial de EUA e Europa à fragilizada economia brasileira?
Ou, no outro caso, de retaliações diretas impostas pela China, nosso maior parceiro comercial?
Talvez, ainda pior: pensou na possibilidade de ver alguns de seus familiares se alistando?
Pois deveria.
É possível que você tenha achado este alerta absurdo em primeiro momento.
Não o culpo por isso...
Passei por algo semelhante em julho de 2014, quando formulei o vídeo de O Fim do Brasil alertando para a disparada do dólar, a falência da indústria, a recessão econômica, a destruição da Petrobras, o aumento do desemprego e vários outros pontos chamados de “terroristas” à época, mas que hoje parecem óbvios aos profetas a posteriori.
Também foi assim quando meses atrás lancei uma nova tese: 10 Anos de Recessão, chamando atenção para os desequilíbrios globais e, dentre outros fatores, a bolha chinesa.
Hoje há um consenso de que chegaremos a 2018 com um PIB equivalente ao de 2013 – e com uma renda per capta cerca de 5% inferior à observada cinco anos antes.
Considerando o crescimento da população da ordem de 1% ao ano, havemos de crescer 2% anualmente para chegar a 2023 com rigorosamente a mesma renda per capita daquela observada 10 anos antes.
Ou seja, sem reformas, já temos uma década perdida.
Um mês atrás, escrevi sobre os mercados sobrevalorizados e as bolhas em formação nos EUA, na China e por toda a Europa.
Pois veja o que aconteceu com a Bolsa chinesa nas últimas três semanas:
 
Isso mesmo, ela caiu mais de 30% de forma abrupta.
Estava bem no topo da montanha e simplesmente despencou.
Só não caiu mais porque o autoritário governo chinês interveio, proibindo os grandes investidores de venderem suas ações.
Convenhamos, uma forma nada convencional de sustentar um mercado em alta.
Já os EUA estão apenas aguardando seu Banco Central subir a taxa de juros, o que fatalmente afetará o fluxo de dólares por todo o Planeta.
Sei que as consequências dessa crise iminente serão bastante dolorosas – particularmente para a economia brasileira, que está fragilizada –, mas nada disso se compara ao cenário que vou descrever agora.
Apenas peço que você esteja ciente dos riscos a que está exposto.
Não estou dizendo que, necessariamente, a reconciliação de 2015 com 2008 ensejará uma Terceira Guerra Mundial. Chamo a atenção, porém, para a gravidade e a complexidade do contexto político e econômico atual.
Quando acontecer, se acontecer, não será pego de calças curtas.
O tempo está fechando, bem à sua frente...
Na dúvida se vai chover ou não, você sairia de casa sem guarda-chuva?
Dependendo da nebulosidade, sairia de casa?
Portanto, peço apenas que leia esta mensagem até o final para ficar ciente dos riscos a que está exposto.
Trata-se da possibilidade de um futuro preocupante, que infelizmente já começa a se delinear.
E não sou apenas eu que estou dizendo.
Bombardeiros russos sobrevoam próximo aos EUA no 4 de Julho

Foram dois incidentes: o primeiro, no Alasca e, o segundo, na costa da Califórnia. Em ambos, a passagem dos bombardeiros foi interpretada como ato de guerra e interceptada por caças americanos.
Agora, veja o que disse o megainvestidor George Soros, na conferência de Bretton Woods, realizada em maio no Banco Mundial:

“Há um perigo claro de que a China se alie política e militarmente à Rússia, fazendo com que a Terceira Guerra se torne uma ameaça real.”
George Soros

Segundo o megainvestidor, se os esforços da China em voltar sua economia para o mercado doméstico fracassarem, “há uma possibilidade grande de os governantes chineses estimularem uma guerra para manter o país unido e continuar no poder”.
Para referendar o argumento, Soros também mencionou o aumento dos gastos militares tanto na China quanto na Rússia.
Tal preocupação não é exclusiva do megainvestidor. No dia 15 de junho, aBloomberg fez a seguinte reportagem:
 Cinco Milhões de Motivos que Justificam uma Guerra para a China

Nela, a agência de notícias de Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova York, enfatiza a maior atenção de bases militares no mar do Sul e as relações armamentistas crescentes com Sudão, Iemen e Paquistão.
O exército norte-americano está se posicionando estrategicamente como se o Planeta fosse um inocente tabuleiro de WAR.
O problema?
Os russos discordam desse movimento.
Confira a notícia da Reuters:
  
Rússia avisa que haverá retaliação se EUA colocarem armamentos em suas fronteiras.

“Se os EUA colocarem seu arsenal militar com tanques, artilharias e outros equipamentos pesados em países do leste europeu e no mar báltico, este será o ato de guerra mais agressivo que o Pentágono e a OTAN realizaram desde a Guerra Fria”
Yuri Yakubov, ministro de defesa da Rússia

“Não restará à Rússia qualquer opção a não ser deslocar exército e recursos para as fronteiras” , complementou o ministro.
Por sua vez, o colunista Paul B. Farrell, do MarketWatch, é ainda mais enfático.
Para ele, a Terceira Guerra está, sim, cada vez mais perto.

“Enquanto a população só quer saber qual é o próximo aparelho eletrônico que irá comprar, os generais do Pentágono já estão se preparando para a WWIII.”
MarketWatch
E o repórter do The Wall Street Journal, Dion Nissenbaum, garante:
“Hackers chineses já entraram nos computadores da Casa Branca, nos planos de defesa e em milhões de segredos nos arquivos norte-americanos.”
Wall Street Journal

Observe que não estamos falando de teorias da conspiração de grupos radicais, mas, sim, de algumas das principais mentes e agências de informação do mundo: Bloomberg, Reuteurs, MarketWatch, ABC News, The Wall Street Journal, George Soros, o próprio ministro de defesa da Rússia...
Tenho total liberdade para seguir a minha consciência, dizendo o que observo sem qualquer censura. E posso garantir:

Uma crise econômica mundial é iminente. Quanto mais ela tardar a chegar, piores serão as consequências para todo o Planeta, sob sério risco de as Grandes Guerras voltarem à pauta dos países.

É o que costuma acontecer quando a humanidade chega a impasses extremos. E, caso ainda não tenha percebido, nós já estamos em meio a um impasse.
A Origem do Impasse
Para enfrentar a Crise de 2008, o Fed reduziu as taxas de juros a praticamente zero e injetou dinheiro na economia.
Sob juros zerados, com muito dinheiro disponível e sem alternativas de investimentos na economia geral – que cresce pouco –, só resta aos investidores comprar coisas mais arriscadas como ações e outros papéis menos conservadores.
Aí o valor dos ativos de risco tende a subir nas alturas, como vem acontecendo com as bolsas americanas. Os investidores de lá já começaram a se dar conta disso.

“Mantendo as taxas de juros assim baixas, acabamos criando bolhas mesmo sem perceber.”

É o que alerta o bilionário Carl Icahn sobre a política monetária do Banco Central americano. Para ele, o estouro dessa bolha é inevitável.

“Não é uma questão de SE, mas sim de QUANDO vai acontecer.”

Veja o gráfico:
A linha laranja mostra o índice da Bolsa americana, de 1930 a 1937. A verde, o S&P de 2007 a 2015.
O mesmo filme dos anos 30 está se repetindo, desta vez com orçamento muito maior.
Em resposta à crise, o Banco Central dos Estados Unidos reduz a taxa de juros e expande a oferta de moeda. As Bolsas sobem fortemente.
Quando se aperta novamente a política monetária, há uma forte correção nas Bolsas.

Se em 1937 acertamos as contas com 1929, o ano de 2015 pode representar o acerto de contas com 2008.

Basta o Fed subir os juros, como já está planejando fazer.
Note que o problema desta vez é ainda mais complexo, já que o fenômeno não se restringe ao mercado norte-americano.
Os Bancos Centrais despejaram dinheiro na economia mundial numa quantidade sem precedentes.
Há mais de 100 trilhões de dólares de excesso de liquidez no mundo.
Justamente por isso, as bolhas começaram a se formar.
Veja este gráfico, da National Inflation Association (NIA) Ele compara o preço das ações ao PIB das 24 maiores economias do mundo, de 1991 a 2015.
 
Grosso modo, funciona assim: cada país é analisado individualmente. Seu momento de menor relação entre preço das ações e PIB é transformado em 0%. Já o momento de maior relação é convertido a 100%.
Os Estados Unidos, por exemplo, estão atualmente com essa relação convertida para 95,56% – 100% teria acontecido na Crise pontocom, em 2000.
Segundo a NIA, estar acima de 75% já é suficiente para caracterizar um mercado sobrevalorizado. É como um sinal amarelo.
Acima de 90% é sinal vermelho – mercado extremamente sobrevalorizado.

Dos 24 países, 14 – mais da metade – estão em sinal vermelho, acima dos 90%. Outros 5 já entraram no amarelo.

A média do grupo todo é 93,69%, como podemos ver no gráfico.
Sabe quais são os países com relação mais baixa? Rússia, Grécia, Brasil... países já em crise, que sofrerão ainda mais quando a bolha mundial estourar.
E falta pouco.
É como disse o megainvestidor Marc Faber no último dia 10 de junho, em evento organizado pela Empiricus no Hotel Unique, em São Paulo.

“Com o mercado de ações num nível tão alto, só há uma direção possível: PARA BAIXO.”

Foi assim na década de 1930. Está se repetindo agora.
A farra da liquidez – com Bancos Centrais jorrando dinheiro nas economias e taxas de juros baixíssimas –, em vez de promover o crescimento, só fez inflar os ativos de mais risco.
Durante a Grande Depressão, o estouro da bolha se deu em 1937, como vimos no gráfico.
Já a atual continua inflando, com as bolsas mundiais atingindo diariamente novas máximas, enquanto as economias mais desenvolvidas do Planeta crescem a taxas abaixo da média histórica.
Até quando?
Com relação ao crescimento, as notícias não são nada otimistas.

 
Segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), a previsão é de que a Zona do Euro cresça, em 2015, apenas 1,5%. Na Grã-Bretanha, essa previsão é de 2,4%. E, no Canadá, 1,5%.
Mesmo a China, que antigamente crescia a taxas de dois dígitos, agora terá, na melhor das hipóteses, um crescimento de 6,8%, o que já começa a gerar certa tensão por lá.
E na Rússia a situação é muito pior, com recessão de -3,4%.
O PIB americano até esboçou uma reação com os estímulos do Federal Reserve, mas o crescimento ficou muito aquém do esperado: 2,5% (2010), 1,6% (2011), 2,3%(2012), 2,2% (2013) e 2,4% (2014).
A angústia dos norte-americanos aumentou com os resultados do primeiro trimestre de 2015: crescimento de apenas 0,2%.

É como se o mundo estivesse chegando à sua fase adulta e simplesmente parasse de crescer.

Algo parecido com o que vive o Japão, cuja economia sofre de inanição há mais de 20 anos.
A dúvida então ganhou força:
E se, mesmo com todos os incentivos, os EUA e o mundo não se recuperarem?
Teremos outras ferramentas para escapar dessa armadilha do crescimento?
Caso não tenhamos...
É possível conviver com o incentivo dos juros zerados por muito tempo?
Sim, perfeitamente possível.
Só que aí entraríamos numa espiral deflacionária de baixo crescimento econômico – algo sem precedentes na história.
Trata-se de um antigo conceito...
A Estagnação Secular
O termo “secular stagnation” foi cunhado no auge da Grande Depressão, em 1938, por Alvin Hansen, então presidente da American Economic Association.
A interpretação de Hansen era de que a Grande Depressão iniciaria uma nova era, representada por desemprego alto e estagnação da economia.
Nem a baixa taxa de juros conseguia estimular o crescimento.
Isso porque o desemprego enfraquecia a já baixa demanda agregada que, por sua vez, desestimulava o investimento.
Sem investimentos, o desemprego aumentava e enfraquecia ainda mais a baixa demanda agregada.
Percebe o círculo vicioso?
 
Na ideia de Hansen, cairíamos assim na estagnação secular da economia.
Não seria algo transitório ou de fácil solução. Tratava-se de um problema estrutural, com mudanças nas bases da economia dos países industrializados.
Fazia muito sentido nos anos 1930, já que vínhamos de quase uma década de desemprego dramático, forte queda da massa salarial e baixo crescimento econômico.
Tudo muito parecido com o que acontece atualmente. 
Para combater a Crise de 1929, sabe o que fez o Banco Central dos EUA?
Adotou uma política monetária expansionista, injetando dinheiro na economia e reduzindo a taxa de juros.
A Bolsa começou a se recuperar fortemente, mas a economia não – semelhante ao que ocorre nos EUA de hoje.
Só que aí o Banco Central apertou o torniquete monetário em 1937, causando uma queda de 49% das bolsas norte-americanas.
Só falta agora o Federal Reserve fazer o mesmo (o que está previsto para 16 de setembro de 2015).
O problema é que não funcionou na época, tanto que voltaram a afrouxar a política monetária entre 1938 e 1939, à espera de uma reação da economia.
Porém os resultados práticos não vieram, e a expansão do PIB continuou em ritmo muito baixo.

Nada recuperava a economia até que algo mudou os rumos da História.

Você já entendeu aonde eu quero chegar.
Sabe como as economias dos países industrializados e dos EUA em particular saíram da recessão na década de 1930?
Em outras palavras, você sabe como pudemos interromper a traumática estagnação secular?
Isso mesmo, com a SEGUNDA GUERRA MUNDIAL. Somente com ela.

Foi necessário um conflito bélico de proporções globais para quebrar essa dinâmica.

Com consequências brutais e altamente indesejáveis. Não precisamos relembrá-las.
Para preencher o buraco faltante de demanda agregada, precisamos na época do enorme expansionismo fiscal, a partir de gastos militares bastante pesados.
Somente assim a economia voltou a crescer.
 
Avançando 75 anos na história, o tema da estagnação secular volta ao centro das discussões.
O ex-secretário do Tesouro dos EUA, Larry Summers, tem sistematicamente abordado a questão e a sua gravidade.
Ele está muito bem acompanhado em sua teoria como, por exemplo, pelo economista e prêmio Nobel Paul Krugman e pelo ex-presidente do Fed, Alan Greenspan.
Quem participou do último evento organizado pela Empiricus, em São Paulo, pôde ouvir do próprio Greenspan:

“Estamos numa posição de estagnação secular.”

Fui responsável pela organização do evento, e as palavras do ex-presidente do Banco Central americano foram as que me deixaram mais preocupado.
A questão é grave, muito mais do que ajuste fiscal brasileiro, saída da Grécia da zona do Euro, redução da liquidez internacional ou qualquer outro problema econômico e financeiro que já enfrentamos.
Houve apenas dois momentos na história em que se debateu a estagnação secular: em 1938, quando Alvin Hansen introduziu a ideia, e AGORA.


“A verdade é que, como não sabemos como terminaria a Crise de 1929 sem a Segunda Guerra, continuamos a não saber como terminará a crise em que vivemos.”

É o que escreveu o economista Delfim Netto em artigo ao Valor Econômico.
Não se trata de coincidência.
A crise de sete anos atrás, cujo ápice é marcado pela quebra do banco Lehman Brothers em 15 de setembro de 2008, encontra um único precedente na história.
Trata-se justamente da crise iniciada em 1929.
Só que na época, para retirar a economia global da recessão, foi preciso umaSegunda Guerra Mundial .
Esse é o tamanho do problema, não podemos menosprezá-lo.
É claro que ninguém pode prever uma Guerra Mundial com absoluta certeza. Meu propósito é simplesmente chamar atenção para a gravidade e a complexidade do contexto político e econômico atual.

Não podemos cair de novo na ideia de que “desta vez é diferente”.
Na maior parte das vezes, não é.
Se a história serve de guia, momentos muito longos de baixo crescimento econômico mundial, agravados por tensões políticas,abrem espaços para movimentos extremados, cujas consequências escapam ao controle.
Estamos certamente em tempos muito difíceis, e os desdobramentos materiais podem ultrapassar nossa capacidade de previsão do futuro. 

Voltando a Alan Greenspan e sua precisão nas palavras:

“Nós não sabemos muito bem o que fazer, por uma razão muito simples: NUNCA estivemos nesta situação antes.”

Mas, e no Brasil, como seremos afetados?
O problema por aqui tende a se agravar já neste mês.
Você sabe, as agências de risco estão avaliando o nosso rating, isto é, a nossa classificação de risco.
Você se sentiria confortável em emprestar dinheiro para alguém com problemas financeiros?
Pois é, os investidores estrangeiros também não.
De certa forma, o mercado já percebeu que a situação brasileira piorou bastante. Nossa Bolsa opera atualmente em níveis mais baixos, já precificando essa piora.
Só que as agências de classificação de risco estão prestes a oficializar a queda no rating.
Pior. Mais do que nos rebaixar, elas poderão ainda dar um viés negativo para as próximas avaliações.
Na prática, é como dizer assim:
“Olha, não confiamos que você seja capaz de pagar as suas contas e não acreditamos que possa reverter a situação tão cedo. Fique avisado desde já: vamos lhe dar uma nota ainda mais baixa na próxima avaliação, OK?”
Pois o governo brasileiro já está ciente do problema. Todos sabem que o nosso rating será rebaixado – provavelmente agora, em julho.
O que os governantes ainda tentam evitar é o malfadado viés negativo, que culminaria na chamada “PERDA DO GRAU DE INVESTIMENTO”.
Se por um lado o mercado brasileiro já precificou a queda no rating, por outro ainda ignora esse viés negativo e a perda do grau de investimento.
A conclusão é inevitável: mesmo não estando em bolha como no resto do mundo, a Bolsa brasileira tem espaço para CAIR MUITO MAIS.
Acha pouco estarmos entre 50 e 55 mil pontos? Que tal algo entre 40 e 45 mil? Isso representaria os 13 mil pontos em dólar, algo sobre o qual falamos desde o lançamento da tese de O Fim do Brasil.
O cenário ruim para a Bolsa brasileira agora está muito perto de se realizar.
Começaria com a queda do rating, passaria pelo viés negativo e culminaria no “alfinete do Federal Reserve”, em 16 de setembro. Faltam poucos dias.
Você talvez esteja se perguntando:
“Mas, se a nossa Bolsa não está sobrevalorizada, por que o alfinete americano, capaz de estourar bolhas por todo o mundo, também traria consequências drásticas para o Brasil?”
Simples.
Com o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos, os títulos públicos americanos (considerados “livres de risco”) ganham em atratividade e seduzem investidores de todos os outros mercados, inclusive do nosso.
Os dólares já estão saindo do Brasil e sairão ainda mais neste novo cenário. As consequências são inevitáveis.

O dólar está alto? Subirá mais.
O investimento no País caiu? Cairá mais.
O desemprego está aumentando? Teremos mais desempregados.
E ficará ainda mais difícil controlar a inflação e evitar a recessão.

Poderemos enfrentar tudo isso já nos próximos seis meses.
Não há como evitar, chega um momento em que é preciso fazer o “Acerto de Contas”.
Este acerto começa agora, e seu desfecho poderá culminar numa Grande Guerra.
Portanto, apertem os cintos. Os próximos meses – e talvez anos – serão especiais para seus investimentos, sua construção de patrimônio, sua evolução profissional e para seu convívio familiar.
Você pode se preparar desde já para o seguinte quadro: 
1. Forte desvalorização do real, com o dólar caminhando para R$ 4,00
2. BRexit: redução do rating soberano brasileiro para nível inferior ao grau de investimento e possível saída dos BRICs
3. Aumento dos juros de mercado em títulos brasileiros
4. Forte queda das ações
5. Aumento destacado do desemprego
6. Queda de salários e piora dos indicadores de distribuição de renda.


CINCO PASSOS PARA SEGUIR DESDE JÁ

PASSO #1: INVISTA NO ATIVO ANTIGUERRA, QUE PODERÁ SALVAR VOCÊ E SUA FAMÍLIA QUANDO O CENÁRIO MUNDIAL SE COMPLICAR
Há somente um ativo financeiro moldado para ganhar com um cenário de baixo juro, baixo crescimento e muita impressão de moeda. Você precisa estar em contato com ele.
Se ele já representa uma importante reserva de valor em qualquer momento histórico, em períodos de guerra seu potencial de valorização é gigantesco.
Preparamos um relatório explicando exatamente qual ativo é esse e como investir nele da maneira mais rentável possível.

PASSO #2: PROTEJA-SE DA INFLAÇÃO
Cenários de guerra são tipicamente inflacionários. Que o diga a Alemanha de janeiro de 1922 a dezembro de 1923, com inflação acumulada de um BILHÃO por cento, como consequência da Primeira Grande Guerra. Ou então a Hungria pós Segunda Guerra, onde os preços se multiplicaram por mais de 1027(1.000.000.000.000.000.000.000.000.000).
Calma, não estamos projetando algo assim tão catastrófico para o cenário brasileiro. Mas você certamente já percebeu que a nossa inflação está acelerando velozmente – ultrapassou 8%, aproximou-se de 9% e já há quem fale em 10%.
Você precisa fazer algo a respeito, caso contrário, seu salário e seus investimentos serão corroídos pela disparada dos preços, reduzindo fortemente o poder de compra da sua família.
Dediquei tudo o que eu sei sobre investimentos para montar um relatório com as ótimas aplicações para se proteger e ganhar da inflação.
Eu também gostaria de lhe dar acesso a esse valioso conteúdo. Vou mostrar exatamente como num instante.

PASSO #3: GANHE DINHEIRO AGORA MESMO
Espero que a esta altura você já tenha percebido que os próximos seis meses serão decisivos para seus investimentos.
Com isso em mente, preparei dois relatórios explicando as minhas principais ideias de aplicação para este segundo semestre. O primeiro é focado em ações e o segundo, ainda em confecção, refere-se exclusivamente a renda fixa.
Você já pode ganhar muito dinheiro em 2015 (mesmo no cenário adverso que se apresenta) e eu lhe mostrarei exatamente como.

PASSO #4: ACOMPANHE A NEWSLETTER DIÁRIA MAIS LIDA DO MERCADO FINANCEIRO
É preciso estar antenado rotineiramente com a situação da economia e dos mercados.
Justamente por isso, gostaria de lhe dar acesso à newsletter diária paga mais lida de todo mercado financeiro brasileiro: o Vida de Investidor PRO, uma espécie de must read (leitura obrigatória) de todo investidor no Brasil. 

Além de dar um panorama dos mercados em todo o mundo, a série apresenta, por dia, cinco análises bem argumentadas para que você entenda cada vez melhor o cenário macroeconômico e saiba exatamente o que comprar, o que vender e do que manter distância.
Finalmente, chegamos ao último passo. Depois disso, falarei exatamente como ter acesso a esse conteúdo indispensável àqueles que querem ganhar dinheiro de verdade quando a próxima crise chegar...

PASSO #5: ENTENDA SOBRE O CONTEXTO ECONÔMICO- FINANCEIRO MUNDIAL ANTES DE TOMAR QUALQUER DECISÃO
Gostaria de lhe dar acesso a uma conversa exclusiva que a Empiricus teve com três nomes de peso no cenário mundial: o megainvestidor Marc Faber, o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles e o ex-presidente do Federal Reserve Alan Greenspan.
O evento organizado pela Empiricus aconteceu no Hotel Unique, em São Paulo, em 10 de junho de 2015 e reuniu essas três personalidades sob mediação do jornalista William Waack.
Estou certo de que as visões privilegiadas de Faber, Meirelles e Greenspan serão fundamentais para qualquer tomada de decisão econômica e financeira nos próximos seis meses, por isso escrevi um relatório sobre este encontro com o prognóstico dos entrevistados para o contexto atual.
Ficaria honrado em compartilhar esse documento com você.
Tenho orgulho de ter ajudado milhares de pessoas a preservar milhões de reais de patrimônio individual desde o lançamento da série O Fim do Brasil, que agora leva o nome de Palavra do Estrategista.

“Assinar O Fim do Brasil [Palavra do Estrategista] foi o melhor investimento que fiz em 2014. Você acertou em cheio nas altas do dólar, da inflação e dos juros. Obrigado, Felipe.” 
Victor G.

“Achei conveniente me manifestar sobre quanto bem me fez ler o relatório “Somos todos groupier". Tal foi a importância do conteúdo para mim, límpido e sem prolixidades, que me animo a afirmar que tal relatório já justifica as assinaturas que fiz e as que futuramente hei de fazer. Parabéns! E fico-lhes muito grato pelo bem que estão fazendo em prol da nossa educação financeira.” 
Lazaro A.

“Quando li o título O Fim do Brasil achei exagerado – talvez ainda ache -, mas depois de tudo que aconteceu fica difícil questionar. O nome poderia ser outro. Mas a tese realmente me alertou para uma série de coisas. Obrigado.” 
Rodrigo C.

“Segui as recomendações do relatório da Empiricus e comprei um fundo cambial. Ganhei 15% em três meses. Comprei com intuito de proteção e acabei tendo um lucro grande. O que eu faço agora?” 
Marcela J.

“O Palavra do Estrategista mudou minha visão sobre investimentos. Percebi que estava agindo de forma completamente errada. Tenho aproveitado a sua visão macroeconômica e tomado ótimas decisões. Valeu!” 
Daniel P. 

A série atingiu proporções que – reconheço – não imaginava de início.
Isso exigiu que multiplicássemos sensivelmente os nossos esforços.
Mas, felizmente, conseguimos todo o respaldo necessário...
Metade do capital social da Empiricus pertence à Agora Inc, maior empresa do mundo de publicações financeiras voltadas a pessoas físicas.
Nossos sócios norte-americanos possuem operação em 15 países, incluindo EUA, Europa, Índia, China, Austrália, Argentina, entre outros.
Assim, podemos acessar uma rede de contatos global para trazer o que há de mais relevante no mundo.
Queremos levar a nossos assinantes, por exemplo, a visão de um bom economista chinês sobre o que deve acontecer com os preços do minério de ferro e a Bolsa de Xangai.
Teremos acesso direto às investigações de Jim Rickards. Ou, diretamente da Europa, saber sobre a possibilidade de saída da Grécia da Zona do Euro...
Estamos em contato diário com esse pessoal – e eles serão, quando oportuno, citados nominalmente nos relatórios.
E iremos mais fundo. Além dos textos escritos por mim (Felipe Miranda), que continuam normalmente, teremos ainda a cada mês um ensaio escrito por Bill Bonner, fundador da Agora Inc, bilionário, já considerado Empresário e Homem do Ano nos EUA, autor de vários best-sellers sobre finanças e construção de patrimônio.
Quero que você tenha acesso imediato aos artigos do Bill. Acredite, eles podem fazer toda a diferença, de forma que um dia a mais sem o acesso pode lhe custar a perda de uma grande oportunidade.
Um dos mais recentes, “O trade da década de Bill Bonner”, traz uma oportunidade realmente fantástica de aplicação.
Faço questão que você tenha acesso imediato a este conteúdo riquíssimo doPALAVRA DO ESTRATEGISTA (de Felipe Miranda).